terça-feira, 27 de julho de 2010

Adormecido

Sentia a leveza da cama
O perfume do sono
Adormecia lentamen...

Adormeci
Um mundo novo surgiu
Cores, mulheres, crianças, asnos

Asnos?
Sim, até mesmo os asnos surgiam neste mundo novo

As cores,
que cores impressionantes
As crianças,
que crianças felizes
As mulheres,
as mulheres...

bip, bip, bip

O perfume desaparece,
mas ainda tento voltar
Vejo uma passagem se fechando
Vejo?
Sinto?
Não sei ao certo

Mas é tarde..
Há perfumes que só se sentem uma vez...

quinta-feira, 15 de julho de 2010

O medo de ir em frente

Mais uma etapa da vida se aproxima, as lágrimas são certas, o medo constante.

Tristeza e alegria juntas. Uma mistura estranha, mas ultimamente têm sido estranhos sentimentos os que mais me dão alegria.

Tenho medo, muito medo, mas também tenho certeza do que quero, de que está na hora de seguir meu caminho.

Está na hora!

No fim, sei que gosto de viver no inverno, mas quando este chega quero que passe depressa!

terça-feira, 13 de julho de 2010

Simplesmente saudade

Tão estranho,
tão feliz.

Corro, pulo e ando, mas nada me satisfaz.

A saudade é forte.
A crueldade maior.
O sentimento melhor.

Sinto, quero, anseio.
Sei que não demora, mas um segundo custa dias a passar.

Paro, penso e espero.

Tão feliz,
tão estranho.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Per te!

Por você?

Reconstruo as linhas dos mapas
Rompo os limites do espaço tempo

Não há distâncias
Não há obstáculos

Por você!


Só há saudade..
Bendita saudade!


"Não te trago flores
Porque elas secam e caem ao chão

Te trago os meus versos simples
Mas que fiz de coração"
(Versos Simples - Chimarruts - Composição: Cassiane Silva / Richardson Mai)

sexta-feira, 9 de julho de 2010

terça-feira, 6 de julho de 2010

Sonhos, que são sonhos

Ele é jovem, alegre e sem medos. Ele sorri, mas o dia está chuvoso.
Ele passa em frente a uma parada de ônibus e percebe um contraste. Um idoso e velho amigo. Triste.
Ele interrompe a caminhada, senta ao seu lado e ouve. Ele gosta de ouvir e seu amigo precisa falar.
O idoso está decepcionado, pois ao fim de sua vida não vê glórias, não vê motivos para ser feliz.
Ele não entende, pois é feliz, tem tantos sonhos que só apontam para felicidade. Não entende como é possível pelo menos um daqueles sonhos não se tornar realidade.
Mas está difícil de acalmar o amigo. O idoso quase chora, mas tenta ser forte, mesmo no fim de uma vida, que crê não ter valido a pena.
Ele conta ao amigo tantos sonhos que tem. Tenta explicar que ainda não é tarde para o idoso fazer algo. Não é tarde para tornar sua vida alegre e útil.
O idoso parece que ouve, mas ele não sabe se o amigo realmente aceitou aquela ideia.
Ele levanta e segue caminhando. O dia está chuvoso. Ele olha para traz, para dar uma última olhada em seu amigo, mas não vê ninguém, o banco estava vazio.

E a vida passa em um segundo..

domingo, 4 de julho de 2010

Pelo Per, pelo feito - Perfeito

Os vidros estão limpos
O outro lado está claro

É estranho
É novo

Normalmente você não conseguia ver bem o outro lado
Normalmente havia inúmeras imperfeições

Dessa vez não há!
É tudo perfeito!

O outro lado é tão belo
Tão, Perfeito

É estranho não ter percebido antes
É tão bom perceber agora

Olhos,
janela da alma..

Palavras soltas a uma amiga

Doce, doce, a vida é um doce.
Uísque, uísque a vida é mais um uísque!

Mais uma garçom!
Mais uma?
Garçom?

E ela segue
festa a dentro
uísque a uísque
mesa a mesa.

Ela não para
é viva
é livre!

Novos sabores
recentes descobertas
paixões estranhas.

Ela só quer se livre
ser feliz!

Até que O caminho reencontre..

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Seguindo em frente..

Passamos a vida inteira esperando o telefone tocar. Construímos nossas estradas de tijolos amarelos para que um dia possamos seguir, avançar, ir em frente.
Mas é tão complicado dizer sim ao telefone ou seguir passo a passo, tijolo a tijolo.

Sentimos medo de deixar para trás o que já temos, de largar o certo pelo duvidoso.

O futuro sempre é incerto!
E o presente virará passado se nunca nos aventurarmos no futuro.

O telefone está tocando e a estrada para o próximo desafio está pronta.
Devemos atender?

Pois eu já aceitei ao desafio!