domingo, 31 de janeiro de 2010

Questionamentos

Que mundo é esse em que nós preocupamos com discussões de reality shows, mas não damos atenção para o próximo? Diariamente conversamos sobre filmes, livros, programas de TV, entre muitos outros assuntos, mas quando alguém tenta conversar sobre algo mais sério, sobre problemas reais de nossa sociedade, todos acham isso um saco.

Como que as pessoas podem gostar de debater frivolidades e não estão nem aí para o que realmente interessa? Estamos nos tornando fúteis e vazios. Uns começam a ter crises existenciais [pelo menos esses se questionam que há algo errado e que eles podem ajudar a mudar as coisas]. Outros não estão nem aí, acham que discutir sobre problemas sociais é chato e perca de tempo [também acho, mas só quando se fica apenas no debate].

Conversar é necessário, até mesmo sobre as frivolidades, mas se manter apenas nisso leva a um caminho triste e solitário. Infelizmente muitos percebem isso tarde de mais...

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Confusão

Como pode o ser humano sentir a mais tristes das dores e o mais belo das alegrias?

Tristeza de quando lhe arrancam um pedaço do seu corpo. Do chegar da morte em um momento que não é bem-vinda - se é possível ela ser bem-vinda.

Alegria de criança ao descobrir novas cores. De quando se conhece algo novo e muito bom.

Passa o dia e você não para de sorrir, mas ao lembrar-se da dor o rosto estampa com tristeza que você ainda não pode acreditar no que aconteceu.

Dor, amor. Luto, saudade!




Fique em paz tio!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Estranha vida

Estranho jeito de ser esse, o da vida

Quando chegamos ao fim de uma jornada, sentimos animo

Quando estamos no começo de outra, desanimo

Animo que é a tradução de tantos sentimentos

Como alívio, saudade, empolgação, cansaço...

Desanimo que é uma mistura

De preocupação, ansiedade, nervosismo, precipitação...

Estranho jeito

Bela vida

Com ou sem, animo e desanimo

E o patinho feio descobriu que na verdade era um cisne, que apenas estava perdido de sua família, a mais bela e pura raça de aves. E então, depois de tanto sofrimento devido a sua diferença, ele encontrou o seu lugar nesse estranho jeito de ser da vida.

domingo, 10 de janeiro de 2010

Parabéns 2010

Apesar dos pesares [perdoe a falta de vocabulário] 2010 começou bem [para mim – triste egoísmo]. Mas como podemos achar que um ano começou bem se ao ligarmos a TV ou abrir os jornais só enxergamos enchentes, mortes, tufões, terremotos, destruição e mais mortes. O seu humano consegue [pelo menos aqueles que detêm o poder] fingir, ficar mudo e até dizer o contrário de tudo o que vem se apresentando. Na década de 90 e até antes já se falava que era necessário e com urgência cuidar do clima, mas o bolso pesava mais e se pensava [novamente aqueles que detêm o poder e ganham com isso] que ainda não era preciso prestar atenção nisso e bingo! Devastações, queimadas, pastos, bois, negócios, lucros e lucros. Essa era [é] a lógica. Ganhar, explorar sem pensar no amanhã. Hoje poderia se pensar que ao ver como o clima está respondendo com tantas variações inesperadas e ondas de calores e nevascas históricas que o homem [aquele do topo da cadeia dos seres vivos] começasse a se mexer [passou da hora disso – já estamos atrasados], mas então o que acontece? Ele começa a [se] debater [discutir], ele enxerga que é preciso fazer alguma coisa [nem todos] e bingo! Nada é feito. É incrível! Até leis são criadas para cuidar do meio ambiente, mas essas leis são opcionais. Cumpre quem quer!

E assim a história vai traçando o seu rumo. Assim vamos morrendo devagar [nossa sorte, pois muitos já morreram].